Parte de nada

Estava cansado de perambular pelas ruas sujas e frias. Sentia frio, sentia fome e mais do que tudo isso: sentia necessidade se sentir parte de algo ou de alguém.
Dormia no chão, mendigava algumas moedas para conseguir algum alimento, passava frio, era mal-cheiroso, bebia para agüentar o inverno, usava a água da chuva para se lavar. Era simplesmente mais um integrante da parte ignorada pela sociedade.
Ninguém dirigia um olhar, ninguém perguntava seu nome e das poucas vezes que alguém arrisca a disparar algumas palavras era para negar um pedido ou apenas para xingá-lo.
Já tinha conquistado muita coisa na vida, já tinha perdido tudo. Reconquistou, perdeu de novo e nessa roda-gigante cheia de altos e baixos perdeu tudo e se perdeu. Não tinha casa, não tinha comida, não tinha roupas, não tinha dinheiro, tinha apenas um coração que mesmo gelado e talvez petrificado por tanto sofrimento ainda pulsava dentro dele.

Anúncios

Um comentário sobre “Parte de nada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s