Desculpa se tinha ciúme

Preparava o café com o Iphone na mão, ligou a cafeteira enquanto seus olhos passavam pelos feeds de notícias do seu Facebook. Caminhou até a geladeira, separou a manteiga e a geleia, agachou para pegar as torradas e voltou à cozinha ainda de olho no que seus amigos virtuais diziam. Encheu sua caneca predileta de café puro, forte e sem açúcar, passou manteiga e geleia nas torradas, sentou-se à mesa e abriu a timeline do Twitter.

Um gole, uma mordida, leu as notícias dos portais sobre o trânsito na véspera de feriado, alguém compartilhou uma música legal,enquanto tamborilava os dedos na mesa pensando no ritmo da música do tweet de cima, leu o comentário de política do tweet de baixo. Mais adiante encontrou inúmeras citações de Caio Fernando de Abreu que foram retuítadas por alguém que não deve ler um livro desde a época de escola, pois elas nunca foram escritas ou ditas por ele.

Caminhou até a geladeira alcançou a última maçã perdida na gaveta, cortou em quatro. Abriu o Instagram, fotos de por do sol, fotos de cachorros e gatos, fotos de comida, até que encontrou uma que a fez piscar várias e várias vezes. Na legenda a frase, “Pra sempre meu, pra sempre nosso.” e muitos, vários, milhares corações (Brega! Foi seu primeiro pensamento). Na foto um casal, ele sorrindo meio sem jeito, o sorriso que ela já conhecia e que a deixava de pernas bambas mesmo depois de tudo terminado por meses, quase anos.

Mais um gole de café, mais uma mordida no pedaço da maçã. A foto ainda piscava na tela do Iphone. “Coxinha” pensou ela, “Que casal mais piegas” disse em voz alta. Levantou, jogou a louça na pia ainda tentando ignorar a imagem do casal sorridente na foto. “Ridículo” esbravejou enquanto chutava a porta da geladeira com o pé esquerdo.

Pegou o Iphone da mesa e sentou na cama. Olhou novamente para o Instagram e a foto continuava lá. Trocou o pijama pela roupa do trabalho, escovou os dentes, jogou algumas coisas na bolsa e pegou novamente o celular. Sem pensar muito e com os dedos trêmulos digitou – não sem usar letras maiúsculas, garrafais – e publicou em todas as redes que fazia parte o que era orgulhosa demais para admitir em voz alta: QUE É CIÚME DE VOCÊ, SIM. E ISSO MATA!!!! 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s